Domingo, 13 de Agosto de 2006
Tratamento da Fasceíte Plantar

   

Prof. Educação Física e Fisioterapeuta

Fasciíte Plantar Fasceíte Plantar)

  O distúrbio pode ocorrer devido a marchas prolongadas, mudança nos calçados (lisos, como as sandálias no período de verão - Europa) ou atletas com actividades desportivas intensas.

      A Fáscia Plantar é uma aponeurose fibrosa com várias camadas, que se origina no processo medial da tuberosidade do calcâneo e se insere nas articulações metatarsofalangianas (sola do pé).

     Surgem microrrupturas da Fáscia e algumas se afastam da inserção fascial . Surge, assim, a Fasciíte Plantar, expressão abrangente, quase sempre para descrever uma dor no arco proximal e no calcanhar. Seu diagnóstico clínico, e podemos observar também em radiografias um esporão de calcâneo calcificação no calcanhar). Acomete indivíduos adultos de ambos os sexos, geralmente com mais de 40 anos de idade e em aproximadamente 20% dos casos bilateral.

Mecanismos da Lesão

     Vários estudos apontam para os distúrbios anatómicos e biomecânicos como possíveis causas da Fasciíte Plantar. Destacamos entre os quais, a diferença de membros inferiores (caso unilateral), pronação excessiva da articulação subtalar , falta de flexibilidade do arco longitudinal e rigidez do complexo Gastrocnêmio-Sóleo Panturrilha ). O uso de calçados sem suporte suficiente para o arco do pé e o tamanho aumentado do passo, durante a corrida em alguns atletas, são, também, causas possíveis de Fasciíte Plantar.

     A dor eventualmente desloca-se para o centro da Fáscia Plantar. Ela é especialmente problemática ao se levantar pela manhã ou ao descarregar o peso após um longo período sentado, entretanto, a dor regride após alguns passos e aumenta na dorsiflexão forçada dos dedos e do ante-pé

Considerações para o tratamento

    O importante, durante o tratamento convencional, fazer o ajustamento biomecânico da lesão. as órteses são bastantes úteis na resolução deste problema. Uma alternativa é a calcanheira e/ou palmilha de silicone, facilmente encontradas no mercado. Caso não seja eficaz, faz-se uma palmilha termomoldável a partir do molde neutro do pé. O uso de calçados com calços elevados em + ou - 2 cm, também ajudam a regredir o quadro álgico.

     Outro aspecto que deve ser observado é a escolha do calçado. O pé pronado (pisada para dentro)m precisa de estabilidade e firmeza para reduzir o movimento excessivo. O calçado ideal para o pé pronado deve ser menos flexível e oferecer um bom controle do retropé (calcanhar). Já o pé supinado (pisada para fora), prefira então os calçados com mais amortecimento e mais flexíveis.

     Após o ajustamento biomecânico da lesão, utilizaremos recursos da fisioterapia. A crioterapia (fase aguda), reduz a necessidade metabólica na área em vasoconstricção , importante para a diminuição do quadro álgico, em combinação podemos utilizar o ultra-som pulsátil micromassagem celular) com seu efeito mecânico e não térmico. A massagem em todo arco plantar com alongamento da Fáscia Plantar, sem esquecer do tendão calcâneo (Aquiles) e o TENS "convencional".  Os antiinflamatórios não esteróides necessários para controle da inflamação, diminuindo a síntese das prostaglandinas .

     Após o período inflamatório agudo, etapa de regeneração, utilizaremos o Ultra-som contínuo, agora para aumentar a chegada de nutrientes ao tecido lesionado, além da termoterapia (parafina, parafango , calores húmidos , etc ), correntes eléctricas como a galvânicas iontoforese ) e/ou diadinâmicas . É, fudamental , manter os alongamentos da Fascia e Tendão Calcâneo , juntamente agora, com mobilizações do calcanhar para aumentar a mobilidade, acrescentar exercícios de fortalecimento para Panturrilha e anterior da perna, bem como para os artelhos.

     Outras medida a ser adoptada são os exercícios de propriocepção, retornando em alívio da dor e recuperação total dos movimentos.

     O atleta não deve interromper o treinamento, entretanto, a modificação da actividade é necessária, como exemplo: bicicleta estacionária, natação, musculação, etc. . Tão logo possamos reiniciar com a corrida de preferência na grama (relva), lembrando sempre que a calcanheira deverá ser utilizada também.

    Devemos salientar que uma boa avaliação é importante, e que o tratamento deverá ser melhor. 

     Procure sempre uma orientação profissional.

     Portanto Dr, de nada vale um grande esforço, para realizar um excelente diagnóstico, se não houver um profissional capacitado para realização da terapêutica.

     FISIOTERAPIA é com FISIOTERAPEUTA

   



publicado por fisio100 às 17:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



posts recentes

...

PERIOSTITE DO TIBIAL ANTE...

Crioterapia - somente vas...

Massagista, uma profissão...

Histórico Profissional - ...

Fisioterapia Desportiva

A consulta a um fisiotera...

Quanto mais directo o ace...

Respondendo perguntas

Avaliação Funcional em Gi...

arquivos

Março 2013

Outubro 2007

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

tags

todas as tags

favoritos

Quanto mais directo o ace...

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds